Bolsonaro diz que não há vídeo ou áudio em que chame a covid de “gripezinha”

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

O presidente Jair Bolsonaro garantiu nessa quinta-feira (26) que não há vídeo ou áudio em que ele tenha chamado de “gripezinha” a covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. Bolsonaro deu a declaração durante uma transmissão ao vivo em uma rede social, acompanhado do ministro da Educação, Milton Ribeiro, e do secretário de Alfabetização do Ministério da Educação, Carlos Nadalim.

“Falei lá atrás que, no meu caso, pelo meu passado de atleta — eu não generalizei — se pegasse o covid, não sentiria quase nada. Foi o que eu falei. Então, o pessoal da mídia, a grande mídia, falando que eu chamei de ‘gripezinha’ a questão do covid. Não existe um vídeo ou um áudio meu falando dessa forma. E eu falei pelo meu estado atlético, minha vida pregressa, tá? Que eu sempre cuidei do meu corpo. Sempre gostei de praticar esporte.”

Todavia, em março deste ano, Bolsonaro usou o termo pelo menos duas vezes, uma durante uma entrevista e outra em um pronunciamento oficial em rede de rádio e televisão.

Em 20 de março deste ano, ao conceder uma entrevista no Palácio do Planalto, Bolsonaro afirmou que, depois da facada que sofreu em 2018, durante a campanha eleitoral, não seria uma “gripezinha” que iria derrubá-lo.   “Depois da facada, não vai ser uma gripezinha que vai me derrubar não, tá ok? Se o médico ou o ministro da Saúde me recomendar um novo exame, eu farei. Caso contrário, me comportarei como qualquer um de vocês aqui presentes”, declarou Bolsonaro, depois de ter se submetido a dois testes para detecção do coronavírus que resultaram negativo.

Quatro dias depois, em pronunciamento em rede nacional de rádio e TV, Bolsonaro pediu a “volta à normalidade” e o fim do “confinamento em massa”, acrescentando que os meios de comunicação espalharam “pavor” na população.

O presidente também disse que, se contraísse o coronavírus, não pegaria mais do que uma “gripezinha”:”No meu caso particular, pelo meu histórico de atleta, caso fosse contaminado com o vírus, não precisaria me preocupar. Nada sentiria ou seria, quando muito, acometido de uma gripezinha ou resfriadinho, como disse aquele famoso médico daquela famosa televisão. Enquanto estou falando, o mundo busca um tratamento para a doença” (Do G1).

 

Deixe uma resposta