O Gaeco ainda não conseguiu comprovar que Beto Richa chefiou, teve qualquer participação ou se beneficiou dos supostos desvios de verba pública investigados pela Operação Quadro Negro. Beto Richa ainda não foi julgado e muito menos condenado. Então, por que apreender objetos de seu uso pessoal e ainda querer vendê-los a pretexto de ressarcir o estado de prejuízos causados por crimes ainda não comprovados ou que tenham trazido dano ao Erário?

Este é um resumo (muito resumido) das razões que os advogados do ex-governador apresentaram ao juiz da 9.ª Vara Criminal de Curitiba, Fernando Bardelli Fischer, para que sejam devolvidos ao seu proprietário os relógios, canetas, óculos, abotoaduras e outros objetos que o Ministério Público apreendeu em sua casa.

A defesa argumenta também que os pretensos prejuízos de R$ 20 milhões aos cofres públicos não foram aferidos e que os pequenos bens de estimação apreendidos, como o MP reconheceu, não foram adquiridos com o dinheiro supostamente pilhado. Além disso, com exceção de pen drives, notebook, HD externo e celulares, todos os demais objetos não oferecem provas úteis à investigação.

O juiz ainda não se pronunciou.

A relação de bens que Beto Richa quer de volta são os seguintes:

  • 01 pen drive 32GB;
  • 01 HD externo;
  • 01 Notebook apple; 1
  • 0 cédulas de 100 dólares;
  • 01 cédula de 100 euros;
  • 01 cédula de 50 euros;
  • 01 cédula de 20 euros;
  • 01 cédula de 10 euros; 10 travelers cheque 100 dólares;
  • 01 óculos de sol marca Prada com caixa;
  • 01 óculos de sol marca Dolce Gabbana com caixa;
  • 01 óculos de sol marca Ray Ban com caixa;
  • 01 óculos de sol marca Dior com caixa;
  • 01 óculos de sol marca Persol com caixa;
  • 01 óculos de sol marca Ermenegildo Zegma com caixa;
  • 01 óculos de sol marca Mormaii com caixa;
  • 01 óculos de sol marca Oakley (?) com caixa (danificado);
  • 01 óculos de sol marca Boss Orange com caixa;
  • 01 pen drive azul 4GB;
  • 01 pen drive branco 8GB;
  • 01 pen drive branco 8GB;
  • 01 pen drive vermelho 8 GB;
  • 01 conjunto com dois pares de abotoaduras caixa vermelha;
  • 01 par de abotoaduras Cartier caixa vermelha;
  • 01 par de abotoaduras Mont Blanc caixa preta;
  • 01 par de abotoaduras Bvlgari caixa preta;
  • 01 par de abotoaduras Bvlgari caixa preta;
  • 01 caneta marca Crown com caixa preta;
  • 01 par de abotoaduras Mont Blanc com caixa;
  • 01 conjunto com três canetas Crown com caixa;
  • 01 caneta Mont Blanc com caixa;
  • 01 caneta Harley Davidson com caixa;
  • 01 caneta Porsche com caixa;
  • 01 caneta Crown com caixa;
  • 01 caneta Cartier com caixa;
  • 01 caneta Mont Blanc com caixa;
  • 01 relógio Cartier com caixa vermelha;
  • 01 caneta Mont Blanc com caixa preta;
  • 01 caneta Mont Blanc com caixa preta;
  • 01 óculos de sol de marca Prada com caixa;
  • 01 caneta Mont Blanc com caixa preta;
  • 01 caneta Mont Blanc Harley Davidson com caixa preta;
  • 01 caneta Mont Blanc com caixa preta;
  • 01 caneta Crown com caixa;
  • 01 caneta Waterman com caixa;
  • 01 caneta Mont Blanc com caixa;
  • 01 cinto Mont Blanc com caixa preta;
  • 01 óculos de sol marca Prada com caixa;
  • 01 par de abotoaduras Mont Blanc com caixa;
  • 01 caneta Parker com caixa;
  • 01 par de abotoaduras Apart (?) caixa vermelha;
  • 01 relógio Carrera;
  • 01 relógio Richard Mille (segundo o proprietário trata-se de réplica);
  • 01 relógio Zodiac ZMX02;
  • 01 relógio Cartier;
  • 01 relógio Piaget;
  • 05 pares de abotoaduras acondicionados em um saquinho verde da Tiffany e co.;
  • 01 pinhão (?) em caixinha preta,
  • 01 prendedor de gravata e
  • 01 par de abotoaduras,
  • 01 alfinete em caixa marrom;
  • 03 correntes e 1 pulseira e 1 anel;
  • 01 caneta Mont Blanc;
  • 01 caneta Mont Blanc;
  • 01 caneta Davidoff;
  • 01 caneta Mont Blanc;
  • 01 iphone; e
  • 01 celular da marca Samsung com bateria danificada.

O Incidente de Restituição de Coisa Apreendida tem o seguinte teor, na íntegra: