Meta4, uma pedra no meio do caminho (2)

(por Rafael Moro Martins e José Lázaro Jr., do Livre.jor, especial para o Contraponto)

O governo do Paraná estaria a um passo de migrar a gestão de pessoas das universidades estaduais para o sistema Meta4, não fosse pela resistência de três instituições: UEM (Universidade Estadual de Maringá), UEL (Universidade Estadual de Londrina) e Unioeste (Universidade Estadual do Oeste do Paraná).

Sob o argumento de agilizar a migração, a gestão Beto Richa (PSDB) pediu às instituições que liberassem códigos internos de computador relativos às folhas de pagamento. O Livre.jor apurou junto ao Executivo que a Unicentro (Universidade Estadual do Centro-Oeste) e a UEPG (Universidade Estadual de Ponta Grossa) cederam a documentação técnica. Mas UEM, UEL e Unioeste disseram não.

Com a união das três universidades com mais alunos do Paraná, o placar segue desfavorável à administração tucana, mesmo contabilizando juntas Unicentro, UEPG e as duas instituições “novatas”, Uenp (Universidade Estadual do Norte Pioneiro) e Unespar (Universidade Estadual do Paraná), que por terem sido criadas recentemente, a partir da fusão de faculdades públicas menores, já nasceram operando dentro do sistema Meta4. E mesmo dentro delas há resistência, o que dificulta o avanço do governo na unificação da gestão de pessoas no comando central do Poder Executivo.

“Com o Meta4, a Universidade perde a gestão sobre a folha de pessoal, ficando impedida de decidir diretamente sobre a inclusão de pagamentos previstos em lei, mesmo detendo orçamento para tanto”, disse ao Livre.jor, em conversa mediada pela assessoria de imprensa, o vice-reitor da Unicentro, Osmar Ambrósio de Souza. “Estamos falando, por exemplo, de pagamentos que são essenciais ao funcionamento institucional, como é o caso do Regime de Trabalho de Tempo Integral e Dedicação Exclusiva, o Tide. Esse regime é fundamental para o desenvolvimento de pesquisas científicas e de programas de extensão, por meio dos quais serviços são ofertados à sociedade”, acrescenta o gestor.

“Estando no Meta4, a universidade pode ficar impedida de realizar pagamentos como esses, o que afetaria os serviços prestados à comunidade. Pode-se retomar, ainda, o exemplo já citado na primeira questão, em que a Universidade poderia perder a autonomia de incluir em folha um novo professor, levando alunos a ficarem sem aulas. No formato atual, a autonomia das universidades é bastante limitada no que diz respeito à questões financeiras e orçamentárias. A adesão ao Meta4 agravaria ainda mais esse cenário, trazendo maiores limitações às ações institucionais”, completa o vice-reitor.

 

2017-12-13T09:29:56+00:00 12 dezembro - 2017 - 19:00|Brasil, Paraná, Política|3 Comentários


3 Comentários

  1. Catarina Ardissonova 12 de dezembro de 2017 em 19:52 - Responder

    Que historia mal contada hein…então um software de rh pode decidir se uma pessoa vai receber o devido? Coisa mais esquisita, muito esquisita. Nada nesse governo é confiável , mas essa história está toda esquisita, primeiro que se as universidades são estaduais eu realmente não poderia supor que elas não prestam contas para a secretaria de estado da educação, segundo que transparência faz bem, saber o que é pago e a quem e como etc, faz parte da boa gestão financeira, especialmente se o dinheiro é pago por nós. Será, será mesmo que não se está fazendo pagamento indevido de valores indevidos? E olha que sempre estou do lado das instituições de ensino, mas elas precisam dar exemplo de boa conduta…receber dedicação exclusiva e usar as 40 horas para dar aula e fazer pesquisa não poderia ser manipulado pelo governo do Estado, esse é um regime de contratação…não é pq muda o software de pagamento e controle que o Estado iria poder mudar regimes de contratação…melhor o contraponto fuçar pq nesse angu tem carroço.

  2. ze 12 de dezembro de 2017 em 20:36 - Responder

    Meta4 ou 1984?

  3. Cacecicocu 13 de dezembro de 2017 em 00:41 - Responder

    Infelizmente todas as Universidades são useiras em errar pra cima.
    Suas folhas nunca caem.
    Será Meta 4 um problema?
    O curso de Ciência da Computação da UEL completou 20 anos.
    Não fizeram nada para melhorar?

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixar Um Comentário

%d blogueiros gostam disto: