Em votação simbólica e por maioria simples, a Câmara Municipal de Curitiba (CMC) rejeitou nesta terça-feira (30) o pedido de abertura de um processo de impeachment contra o prefeito Rafael Greca (DEM). Vinte e sete vereadores votam contra a denúncia e 10, a favor. O pedido havia sido protocolado pelo advogado Pierre Lourenço,  que solicitou a apuração da responsabilidade do prefeito, pela prática de eventuais crimes durante à pandemia da  covid-19.

O vereador Dalton Borba (PDT) apresentou um requerimento pedindo a votação nominal, mas o pedido foi rejeitado por 24 votos contrários e 12 favoráveis. O parlamentar ainda tentou argumentar mais uma vez, invocando o princípio da simetria com a Constituição Federal, onde obrigatoriamente nos processos de impeachment, como da ex-presidente Dilma Rousseff, a votação foi nominal, e por isso a votação do pedido de abertura do processo do prefeito Rafael Greca deveria seguir o mesmo rito.

O presidente da casa, vereador Sabino Picolo, justificou que o regimento interno da Câmara Municipal determina que a votação seja simbólica, com a contagem dos votos favoráveis e contrários, já que o requerimento do pedido de votação nominal apresentado por Borba foi rejeitado.