Receita Federal desconfia de Gilmar Mendes

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), está sendo investigado pela Receita Federal por supostos crimes de “fraude de corrupção, lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio ou tráfico de influência” praticados por mim e/ou meus familiares”, segundo ele próprio descreve em ofício que endereçou ao presidente do STF, Dias Toffoli, em que pede providências para apurar a eventual responsabilidade de servidores que vazaram documentos.

“Tomei conhecimento dos documentos anexos, a partir dos quais deduzi que auditores fiscais não identificados da Secretaria da Receita Federal estariam realizando pretenso “trabalho” voltado a apurar possíveis “fraudes de corrupção, lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio ou tráfico de influência” praticados por mim e/ ou meus familiares”, afirmou Gilmar.

Gilmar reconhece que ‘é evidente que num Estado de Direito todo cidadão está sujeito a cumprir as obrigações previstas em lei e, consequentemente, está sujeito à regular atuação de fiscalização dos órgãos estatais’. Indignado, o ministro atribui ‘fins escusos’ à ação de auditores da Receita.

“O que causa enorme estranhamento e merece pronto repúdio é o abuso de poder por agentes públicos para fins escusos, concretizado por meio de uma estratégia deliberada de ataque reputacional a alvos pré-determinados”, anotou o ministro.

2019-02-11T08:35:59+00:00 08 fevereiro - 2019 - 12:20|Brasil, Paraná, Política|3 Comentários


3 Comentários

  1. loise 8 de fevereiro de 2019 em 13:18 - Responder

    Ora, será que o contribuinte Gilmar Mendes está pretendendo interromper os trabalhos fiscais da Receita Federal! Qual seria o motivo do ofício? A documentação tem aparência regular e dependendo do momento da investigação o próprio contribuinte é cientificado do procedimento. Qual é o problema? Certo é, que esse documento não deveria estar circulando nos jornais e seria apropriado, que se verificasse de onde ele saiu, sendo possível que houve vazamento na RFB ou pelos representantes da própria parte. Toda a situação fiscal é protegida pelo sigilo, e só as partes tem as informações a respeito, mas não é porque alguém pode ter vazado os dados do procedimento, que o serviço fiscal deva ser paralisado. Só falta….

  2. Ricardo R 9 de fevereiro de 2019 em 21:46 - Responder

    A receita federal desconfia, enquanto o Brasil todo tem certeza faz tempo. Mas se pegarem pra valer mesmo, acho que não fica um lá pra contar a história.

  3. Marcos Fernando 10 de fevereiro de 2019 em 10:03 - Responder

    Quem não deve não teme !

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta