Proposta que reduz a idade de aposentadoria obrigatória de ministros do Supremo provoca polêmica

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
A relatora da proposta que reduz de 75 para 70 anos a idade da aposentadoria obrigatória dos ministros do Supremo Tribunal Federal, dos tribunais superiores e do Tribunal de Contas de União, deputada federal Chris Tonietto (PSL-RJ),  apresentou nessa terça-feira (16) parecer pela admissibilidade do texto (PEC 159/19). Um pedido de vista, porém, adiou a votação da proposta na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados.

A proposta, de autoria da presidente da comissão, deputada federal Bia Kicis (PSL-DF),  estabelece que servidores públicos serão aposentados compulsoriamente aos 70 anos de idade. Assim, revoga a Emenda Constitucional 88, de 2015, resultante da chamada PEC da Bengala, que aumentou para de 70 para 75 anos a idade da aposentadoria obrigatória dos ministros. À época, a modificação tirou da então presidente Dilma Rousseff a possibilidade de indicar cinco ministros ao Supremo até 2018 – com o impeachment, a

Se a redução para 70 anos for aprovada, o presidente Jair Bolsonaro poderá indicar dois novos ministros ao STF, uma vez que tanto Rosa Weber quanto Ricardo Lewandowski têm 73 anos de idade. Esse foi um dos motivos pelos quais a proposta gerou bastante polêmica na CCJ.

Outro ponto citado foi o fato de ela ter sido pautada na esteira do julgamento, pelos ministros do Supremo, de ação contra as emendas de relator ao Orçamento, chamadas por parlamentares de oposição de “orçamento secreto”.

Bia Kicis afirmou que apresentou o texto por interesse da sociedade e dos magistrados e negou que a PEC seja oportunista e de interesse do governo. “Essa PEC é de minha autoria, fez parte de uma das pautas da minha campanha. A gente enxerga na população brasileira um grande interesse nessa PEC, há muitos pedidos para que ela seja pautada, já há muito tempo. Desembargadores têm me procurado, porque esse aumento para 75 anos causou uma falta de oxigenação nas carreiras jurídicas, nas carreiras do Ministério Público”, disse.

A proposta, se aprovada na CCJ, ainda precisa ser analisada por uma comissão especial e pelo Plenário.

Durante a reunião, também foi lido o parecer do deputado Filipe Barros (PSL-PR) pela admissibilidade de proposta que altera a Constituição para elevar de 65 para 70 anos a idade máxima para a escolha e nomeação de membros do Supremo Tribunal Federal, do Superior Tribunal de Justiça, dos Tribunais Regionais Federais, do Tribunal Superior do Trabalho, dos Tribunais Regionais do Trabalho e do Tribunal de Contas da União. Um pedido de vista adiou a votação também dessa proposta. (Da Agência Câmara de Notícias).

 

Deixe uma resposta