Procurador critica o STF

O procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, integrante da força-tarefa da Lava Jato, espinafrou em sua página do Facebook a decisão da Segunda Turma do STF de tirar de Sergio Moro partes de processos que ele julga que contenham menções a Lula. Estas partes devem ser remetidas à Justiça Federal de São Paulo. Diz o procurador:

O que acontece hoje é o esperneio da velha ordem. A pergunta que devemos fazer é qual o motivo pelo qual precisam sacrificar o bom nome do tribunal. A Justiça deveria ser cega…

“Hoje, a Justiça praticada na Segunda Turma não é apenas cega. Sua balança está desregulada e a espada sem fio. Dentro de cinco meses, porém, o Éden pode se transformar num novo inferno para os réus”.

 
2018-04-25T17:15:22+00:00 25 abril - 2018 - 15:43|Brasil, Paraná, Política|4 Comentários


4 Comentários

  1. Clovis Manoel Pena 25 de abril de 2018 em 15:54 - Responder

    E depois de cinco meses, depois de anos , antes que faleçam os que sepultam as esperanças de um povo , surgirá a verdade que vingará para sempre. A verdade, que as togas não poderão ocultar . Parabéns procurador.

  2. Mario 26 de abril de 2018 em 08:01 - Responder

    Gozado este cara!!!!! existe a Justiça boa…. para ele…. quando esto não acontece ele se manifesta nas redes sociais…exclamando a sua indignação….. será que o MPF não tem nenhum controle sobre este pessoal???? eu fico pensando o que sobra para o individuo pobre que cair nas mãos deste pessoal…..

  3. […] da corte acreditam que ele passou dos limites com as reiteradas críticas que faz ao tribunal – elas se enquadrariam nos crimes de injúria e difamação, punidos com […]

  4. […] estrelas da Lava Jato em Curitiba. Ministros da corte acreditam que ele passou dos limites com as reiteradas críticas que faz ao tribunal – elas se enquadrariam nos crimes de injúria e difamação, punidos com […]

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta