O confronto de dados de DNA armazenados nos sistemas do Paraná, São Paulo e Brasília permitiu à Polícia Civil encontrar o possível assassino de Raquel Genofre – a menina de 9 anos que, em 2008, teve seu corpo mutilado encontrado numa mala na estação rodoferroviária de Curitiba com sinais de violência sexual.

O anúncio foi feito pelo delegado da Divisão de Homicídios, Riad Farah, na tarde desta quinta-feira (19) em entrevista coletiva na secretaria de Segurança Pública. Segundo ele, o DNA de Carlos Eduardo do Nascimento, preso por outros crimes em São Paulo, corresponde exatamente ao de um dos 129 suspeitos catalogados durante as investigações nos últimos 11 anos.

A secretaria de Segurança vai requisitar à polícia paulista e à justiça a remoção do suspeito para Curitiba nos próximos dias para dar continuidade às investigações – como interrogatórios e possível reconstituição do crime.