Inscrito desde a campanha eleitoral como prioritário e coerente com a intenção de fazer um “governo inovador”, o projeto de implantação da Cidade da Polícia sofreu um revés justamente no momento que o governador Ratinho Jr. completava um ano de mandato.

É que não apareceu nenhuma empresa de arquitetura interessada em participar da licitação do projeto de transformar as antigas instalações da Cervejaria Brahma, no bairro Rebouças, em Curitiba, num complexo destinado a sediar num só lugar a secretaria da Segurança Pública e todos os demais comandos policiais e militares do Paraná.

O governo ofereceu pagar R$ 4,8 milhões ao escritório de arquitetos que apresentasse a melhor solução para restauro de 1.360 metros quadrados de uma edificação histórica e aproveitamento da área total de 36 mil metros quadrados de um dos terrenos mais valorizados da cidade, situado na avenida Getúlio Vargas, a poucas quadras da Rodoferroviária e do Quartel General da Polícia Militar.

A licitação deu “deserta”, no jargão burocrático que indica a não inscrição de nenhum interessado em participar do certame.

Fontes da Paraná Edificações, autarquia responsável pela obra, supõem que o desinteresse se deu em razão de exigências do edital e que foram objeto de inúmeras impugnações apresentadas pelos conselhos de Engenharia e Arquitetura e empresas do setor. Um dos questionamentos recaiu sobre a cláusula que exigia dos eventuais participantes a apresentação de certificações estranhas, que pouquíssimos escritórios no Brasil dispõem. No Paraná, apenas um escritório detém os certificados, mas nem ele se inscreveu à licitação.

Informalmente, um profissional da área expôs a um interlocutor o motivo da estranheza: a exigência dos tais certificados impediria a participação, por exemplo, até mesmo do conceituadíssimo escritório de Oscar Niemeyer, o arquiteto que projetou Brasília e autor obras icônicas mundo afora!

As mesmas fontes da Paraná Edificações informam que o edital está sendo reformulado para sofrer adequações. É possível que seja republicado até março próximo e a licitação se realize ainda no primeiro semestre.

O projeto Cidade da Polícia é ambicioso. Segundo o governador Ratinho Jr. anunciou nos primeiros dias da gestão, ao dar posse ao novo comando da Polícia Militar, o espaço vai integrar as forças de segurança das três esferas de governo, incluindo desde guardas municipais até as polícias rodoviárias Estadual e Federal, Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Federal e o Exército.