Jornal diz que Pazuello negociou Coronavac com intermediária e pelo triplo do preço

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, quando ainda era titular da pasta, teria prometido a um grupo de intermediadores comprar 30 milhões de doses da vacina chinesa Coronavac que foram formalmente oferecidas ao governo por quase o triplo do preço negociado pelo Instituto Butantan. A informação foi divulgada do jornal Folha de S.Paulo.

No contrato com o Butantan, as doses saíram a US$ 10 dólares cada. Mas, na mão dos intermediadores recebidos pelo ex-ministro, seria US$ 28 por dose.

A negociação, em uma reunião fora da agenda oficial dentro do ministério em 11 de março, teve o seu desfecho registrado em um vídeo em que o general da ativa do Exército aparece ao lado de quatro pessoas que representariam a World Brands, uma empresa de Santa Catarina que lida com comércio exterior. O vídeo obtido pela Folha já está em posse da CPI da Covid.

“Já saímos daqui hoje com o memorando de entendimento já assinado e com o compromisso do ministério de celebrar, no mais curto prazo, o contrato para podermos receber essas 30 milhões de doses no mais curto prazo possível para atender a nossa população”, diz o então ministro.

Naquele dia, 11 de março, o governo brasileiro já havia anunciado, dois meses antes, a aquisição de 100 milhões de doses da Coronavac do Instituto Butatan, pelo preço de US$ 10 a dose.

Apesar de Pazuello ter dito no vídeo que havia assinado um memorando de entendimento para a compra, a negociação não prosperou. Caso o negócio fosse adiante, as doses seriam as mais caras contratadas pelo ministério, posto hoje ocupado pela indiana Covaxin (US$ 15), que tem o contrato suspenso por suspeitas de irregularidades.

A demissão de Pazuello seria tornada pública pelo presidente Jair Bolsonaro quatro dias depois, em 15 de março

Deixe uma resposta