Itaipu e prefeitura de Foz fazem força-tarefa para trazer brasileiros do Paraguai

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

Brasileiros residentes no Paraguai, que aguardavam uma oportunidade de retorno ao País depois do fechamento das fronteiras causado pela pandemia da covid-19, puderam iniciar o caminho de volta nesta quinta-feira (23), após uma ação articulada pelas autoridades consulares dos dois países. Uma força-tarefa envolvendo Itaipu, Prefeitura de Foz do Iguaçu e Universidade Federal da Integração Latino Americana (Unila), entre outros, permitiu a entrada no lado brasileiro da fronteira do primeiro grupo, formado por 60 pessoas.

A expectativa é que aproximadamente 400 brasileiros cheguem à fronteira entre esta quinta e sexta-feira (24),em diferentes horários. A maioria é formada por residentes da Região Nordeste do País, que estudam Medicina na capital paraguaia. Para recebê-los, foi feita uma operação na aduana brasileira, em Foz do Iguaçu, com o apoio de diversas instituições – como Polícia Federal, Defesa Civil de Foz do Iguaçu, 9ª Regional de Saúde, Secretaria Municipal de Saúde  e Unioeste, entre outras entidades, além da Prefeitura, Itaipu e Unila, que trabalham no enfrentamento da doença na cidade.

Antes de ingressar no Brasil, os repatriados passaram por uma triagem. Nenhuma deles apresentou sintomas do novo coronavírus e foram liberados para seguir viagem às suas cidades de origem ou aguardar em um hotel reservado pelo município. A Itaipu liberou parte dos ônibus usados no transporte de seus empregados para levar os grupos até o local de hospedagem.

O apoio com o translado atendeu a um pedido da Prefeitura feito pouco antes da chegada dos brasileiros.  Com um remanejamento rápido do transporte interno, a empresa ajudou na logística com cinco ônibus. Os motoristas buscaram os grupos do outro lado da fronteira.

“A Prefeitura organizou com a Itaipu e o governo do Estado uma operação especial emergencial para trazer e aplicar testagem de covid-19 nos repatriados”, disse o prefeito Chico Brasileiro, que acompanhou a chegada do primeiro grupo. “Temos toda a estrutura para que estas pessoas se sintam protegidas em Foz do Iguaçu e a cidade se sinta protegida com a chegada delas.”

De acordo com Jorge Aureo, assessor especial do diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, a solicitação da Prefeitura feita em caráter urgente foi prontamente atendida. “Itaipu tem um GT estratégico de enfrentamento da pandemia na cidade e vai fazer todo o esforço para proporcionar, nesta ocasião, uma melhor acolhida aos nossos irmãos brasileiros que estão chegando a Foz do Iguaçu.”

Na aduana brasileira, a primeira triagem foi feita dentro do ônibus, antes mesmo do desembarque. O coordenador do enfretamento da covid-19 do município de Foz do Iguaçu, o médico Luiz Fernando Zarpelon, fez as primeiras perguntas para identificar pessoas com possíveis sinais agudos de gripe. “Elas já foram submetidas a uma triagem em Assunção, mas também temos que repetir o protocolo”, explicou.

Em seguida, elas foram encaminhadas para medição de temperatura,  registro de documentos e passaram por testes rápidos, que identificam a presença de anticorpos no sangue. Eventuais casos positivos de covid-19 seriam encaminhados ao Hospital Municipal, o que não foi necessário: nenhum integrante do primeiro grupo de repatriado testou positivo. (Da Itaipu Binacional).

 

Deixe uma resposta