Ideia legislativa de médico que mora no Paraná propõe bomba atômica brasileira

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

A Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado Federal vai analisar a ideia legislativa  que sugere que o Brasil tenha a bomba atômica como forma de “dissuadir interferência estrangeira”. A proposta, apresentada em 13 de outubro de 2020 por meio do Portal e-Cidadania, atingiu em 2 de novembro os 20 mil apoios necessários para transformar-se em sugestão legislativa — até aquela data, a ideia ultrapassa os 27.900 apoios. Caso aprovada pela comissão, a sugestão se tornará um projeto de lei.

A ideia legislativa foi apresentada pelo cidadão Vito Angelo Duarte Pascaretta, um médico pernambucano que mora no Paraná, sob o argumento de que “As Forças Armadas Brasileiras necessitam da bomba nuclear para dissuadir interferência estrangeira em nosso território nacional”. E complementa: “A Amazônia Brasileira é nossa!”

Na forma da Sugestão 31/2020, a ideia foi encaminhada em 16 de novembro para a apreciação da CDH, onde aguarda designação do relator.

Regras –  Qualquer cidadão pode apresentar uma ideia legislativa no portal e-Cidadania. Basta se cadastrar, acessar a página das ideias legislativas e enviar a proposta. Cada ideia fica aberta por quatro meses para receber apoios. Se nesse prazo conseguir 20 mil apoios, a ideia é encaminhada para a CDH e se transforma em sugestão legislativa. Se a comissão aprovar, a sugestão passa a ser um projeto de lei e é analisada da mesma maneira que os projetos apresentados pelos senadores. (Agência Senado).

4 comentários em “Ideia legislativa de médico que mora no Paraná propõe bomba atômica brasileira”

  1. E tem gente que pensa que pra ser médico (a) a pessoa precisa ser dotada de um mínimo de inteligência. Como médico me sinto envergonhado!

  2. Cleudo Melo Polvora

    É uma vergonha um país com tantas riquezas e não possui armas nucleares que são a única arma verdadeiramente com poder de dissuasão contra invasões de potências estrangeiras. Lembrando que os cinco países que compoem o conselho de segurança da Onu possuem, bem como o Brasil é o único do brics que não possui.

Deixe uma resposta