Em dia de teste político, Cida pode aplicar “pegadinha” nos deputados

Depois da aprovação da constitucionalidade na sessão de ontem, a Assembleia Legislativa vota nesta terça (10) o mérito dos seis projetos de reajuste do funcionalismo público estadual. Cinco deles preveem reposição da inflação do último ano (2,76%) e foram propostos pelo Tribunal de Justiça, Ministério Público, Tribunal de Contas, Defensoria Pública e pelo próprio Legislativo. O sexto é de autoria da governadora Cida Borghetti e concede apenas o ofensivo 1% para os servidores do Poder Executivo.

Acontece que a bancada da oposição e os “independentes”, que se reúnem em duas bancadas chefiadas pelo deputado Ratinho Jr. (PSD), adversário de Cida na eleição para o governo, apresentaram emenda dando aos funcionários do Executivo o mesmo índice previsto para os demais Poderes. Mais de 30 deputados assinaram a emenda, o que, em tese, significa que a governadora, neste caso, perdeu o controle da Assembleia: ela pode contar apenas com 20 e poucos votos, minoria entre os 54 deputados.

Este será o primeiro e mais importante teste político de Cida: se aprovado o aumento geral e irrestrito no índice máximo, ela está condenada a tomar uma de duas atitudes – ou aceita o reajuste de 2,76% e contraria a próprio argumento técnico-financeiro de que o caixa do governo não aguenta o impacto ou veta todos os seis projetos. Neste último caso, a insatisfação será geral e irrestrita, porque não haverá reajuste para ninguém.

Há quem diga que, na última hora, ela tentará a jogada final: retira o projeto do 1% para os servidores do Executivo e deixa os deputados com a responsabilidade de votar e aprovar os 2,76% dos demais poderes. Podem conquista a duvidosa simpatia de 8 mil já bem remunerados servidores, mas arriscam-se a enfrentar a ira de 300 mil que ganham pouco.

Seria, assim, uma maquiavélica “pegadinha” que Cida Borghetti aplicaria nos deputados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

%d blogueiros gostam disto: