Em 13 dias, Greca repassa R$ 22,5 milhões para os donos do transporte coletivo

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
O prefeito de Curitiba,  Rafael Greca (DEM),  repassou  em 13 dias R$ 22,5 milhões para o setor do transporte coletivo do município sob a justificativa de manutenção da rede integrada de transporte. Para se ter uma ideia, são R$ 1,73 milhão de reais por dia, o que equivale a 385 mil passagens por dia. A informação é do jornalista Aroldo Murá e foi publicada em seu blog.

Segundo um diretor da URBS, que prefere o anonimato, a ordem é acelerar os repasses de dinheiro do Fundo de Urbanização de Curitiba aos donos do transporte coletivo, mantendo o setor tranquilo. Uma das razões é que o prefeito estuda em congelar as tarifas. “Com a redução de tarifa em alguns municípios, como Londrina, o prefeito tem que se reajustar possa enfrentar um grande protesto popular”, afirmou o diretor.

Para apaziguar os ânimos dos donos do transporte público, Greca avisou que não quer pagar os donos do transporte a cada 30 dias. A ordem é conforme o dinheiro entrar em caixa ir passando para os donos do transporte público, ajudando a capitalizar o setor.

Murá acrescenta que, ao que tudo indica, o alcaide terá que subsidiar o transporte da cidade. O preço da tarifa técnica, que representa o valor real do custo do transporte, já bate R$ 8,00, contra uma tarifa de R$ 4,50. Com os aumentos dos custos do transporte e a possibilidade de reajustes dos motoristas e cobradores, essa diferença vai subir pelo menos mais R$ 1,00.

Com isso, a prefeitura terá que bancar a conta. Greca sabe que será difícil o governador Ratinho Junior dar dinheiro para ajudar Curitiba a subsidiar o transporte, por causa da lei eleitoral. O jeito será tirar dinheiro de outras áreas da prefeitura que deverão sofrer cortes em breve.

A sorte do prefeito, finaliza o jornalista, é que o ex-secretário das Finanças Vitor Puppi deixou as contas em dias e dinheiro em caixa. Pelo menos até junho, Greca poderá sangrar os cofres sem precisar de apoio ou cortar programas sociais. Depois disso, só tempo dirá.

Deixe uma resposta