Deputados tentam aprovar, de madrugada, ajuda de R$ 4 bilhões para empresas de ônibus

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

Deputados federais tentaram aprovar na madrugada desta quarta-feira (22) um socorro de R$ 4 bilhões para financiar o setor de transporte coletivo no país, como empresas de ônibus e outros tipos de concessão. O jabuti, como é conhecido um tema estranho incluído em projetos, foi apensado ao relatório da Medida Provisória 938, que trata do repasse da união aos fundos de participação de estados e municípios. As informações são do jornal O Globo.

Segundo a publicação, o deputado Hildo Rocha (MDB-MA), relator da medida, publicou sete relatórios da MP, o que não é comum. No último e que ele chegou citar em plenário, sem ler o conteúdo, há o auxílio a empresários de ônibus. A ajuda ocorreria em ano de eleição municipal.

“Pelo adiantar da hora, vamos direto ao fim do relatório”,  disse o parlamentar.

A inclusão do tema, entretanto, revoltou deputados. Parlamentares de Novo e PSOL passaram a obstruir a sessão, que acabou sendo adiada. “Ou retira os R$ 4 bilhões ou não vamos votar essa medida”, condicionou Glauber Braga (PSOL-RJ). “Nós não concordamos com essa medida dos ônibus”, atacou Paulo Ganime (Novo-RJ)..

No relatório, de acordo com O Globo,o deputado do MDB registra:  “propomos a destinação dos recursos sobressalentes aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, e acrescemos previsão de entrega aos mesmos entes de R$ 4 bilhões para socorro aos serviços de transporte público coletivo”.

3 comentários em “Deputados tentam aprovar, de madrugada, ajuda de R$ 4 bilhões para empresas de ônibus”

    1. Porque gastar dinheiro escasso com empresas de ônibus, que estão com grande parte da frota nas garagens? Frota parada não gera despesas e as contas de empresa grande pode ser negociada com os credores. Lembrem que são as empresas pequenas que geram empregos e não empresas de ônibus que demitiram os cobradores para usar bilhete eletrônico, elas nunca prezaram pelo emprego de ninguém…

Deixe uma resposta