Damares na Cidadania. Só falta o Meio Ambiente

A pastora e advogada Damares Alves foi confirmada na chefia do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. A pasta deve ficar responsável pela Fundação Nacional do Índio (Funai).

O convite de Bolsonaro à pastora, na semana passada, gerou atrito com a bancada evangélica. Damares foi assessora do senador Magno Malta (PSC-ES), um dos políticos mais próximos do presidente eleito, Jair Bolsonaro, durante a campanha. Malta não conseguiu se reeleger e não foi chamado para compor o primeiro escalão do novo governo.

Nesta quarta-feira, 5, Bolsonaro disse que as portas “estão abertas” para o senador, mas que não seria “adequado” colocá-lo à frente de um ministério. Malta respondeu horas depois, dizendo que seu compromisso com o presidente eleito foi até o fim do segundo turno, e tentou minimizar qualquer sentimento de frustração.

Agora só falta a definição para o ministério do Meio Ambiente.

2018-12-07T10:20:26+00:00 06 dezembro - 2018 - 16:39|Brasil, Paraná, Política|1 Comentário


Um Comentário

  1. Leitora 6 de dezembro de 2018 em 20:16 - Responder

    começou bem ela não?
    Quem está ao lado dela é um homem com tres condenaçoes por espancar mulheres, julian lemos
    o que diabos uma pastora entende de indio? de direitos humanos? ou de mulheres que nao são as da congregação ?
    nem pastor, nem padre, nem xá, nem pai de santo, etc…nem religioso nenhum

    e ja começou falando estupidezes sobre aborto, tipo gravidez dura 9 meses, aborto a vida inteira
    só esqueceu da vida dos milhoes de enjeitados ,que nao pediram para nascer, que nao recebem amor ou qualquer estrutura educacional e formativa na vida, quando vc vê…tá com 15 anos…e levam umas vidas de merda que duram a vida inteira também…que tipo de comentário é esse dessa senhora? de mulher chocadeira?

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta