A ação foi movida na última semana e Deltan pede uma indenização no valor de R$ 59 mil. O procurador da República alega que Gilmar teria proferido ofensas contra ele em entrevistas e outras manifestações. Um dos exemplos foi um depoimento à Rádio Gaúcha, em agosto, em que o ministro afirma que a Lava Jato é formada por “gente muito baixa, muito desqualificada”.

É citada ainda a manifestações de Gilmar na sessão de julgamento de agravo regimental 4435-DF, em março, em que ele chama os membros da força-tarefa de  “covardes”, “gângster”, “organização criminosa”, “cretinos”, “gentalhada”, “desqualificada”, “despreparada”, “voluptuosos”, “voluntaristas”, “espúrios”, “patifaria” e “vendilhões do templo”.