Comissão aprova PEC que facilita a construção de centrais termo e hidrelétricas no Paraná

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Os deputados membros de Comissão Especial da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) aprovaram, em reunião realizada nesta quarta-feira (18), a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 14/2019, de autoria do deputado Tião Medeiros (PTB), que altera o artigo 209 da Constituição Estadual, facilitando a construção de centrais termo e hidrelétricas no Paraná. A proposta pretende retirar a necessidade de aprovação pela Assembleia Legislativa da autorização para construção de centrais termo e hidrelétricas de até 30 megawatts (MW) de potência. Os parlamentares aprovarem o parecer favorável do relator, deputado Tiago Amaral (PSB). Com a aprovação, a proposta está apta para seguir para discussão em plenário.

De acordo com Amaral, a mudança pode trazer mais investimentos para o Estado. “A proposta é importante pelo momento que atravessamos no País, com a necessidade do aumento do fornecimento de energia. Caso a oferta não cresça, isto pode acarretar no aumento dos custos. A burocracia tem sido um grande vilão. Neste aspecto, a proposta é de extrema importância”, explicou.

A proposição do deputado Tião Medeiros altera a redação do artigo 209 da Constituição, que passa a determinar que “a construção de centrais termoelétricas, hidrelétricas com potência superior a 30 MW e a perfuração de poços de extração de gás de xisto pelo método de fraturamento hidráulico da rocha dependerá de projeto técnico de impacto ambiental e aprovação da Assembleia”. Com isso, a construção de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH’s) com potência inferior a 30 MW não precisa passar pelo crivo legislativo. A proposta também diz que a construção de centrais termonucleares dependerá, sempre, de projeto técnico de impacto ambiental, da aprovação da Assembleia Legislativa e de consulta plebiscitária.

De acordo com autor da proposta, a iniciativa tem o objetivo de diminuir o excesso de burocracia para novos investimentos. “Esta necessidade de tramitação pelo Legislativo estadual acaba atrasando e inibindo os investimentos em PCH’s, salientando a existência de aproximadamente 200 potenciais hidráulicos no Estado, que podem ser aproveitados para a construção de pequenas usinas, as quais contribuirão para ampliar a oferta de energia”, diz a justificativa da proposta.

A admissibilidade da PEC já havia sido aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). A Comissão Especial foi presidida pelo deputado Michele Caputo (PSDB). Também participaram da reunião os deputados Luiz Fernando Guerra (PSL) e Boca Aberta Júnior (Pros).

 

Deixe uma resposta