Bolsonaro diz que ‘João’ Biden oferece suborno ao Brasil para combater queimadas

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

bidenO presidente Jair Bolsonaro reagiu à proposta do candidato à presidência dos Estados Unidos, Joseph Biden (a quem se referiu erroneamente como John, equivalente em português a João), de destinar U$ 20 bilhões para o Brasil combater as queimadas na Amazônia.

A afirmação do democrata foi feita durante debate na televisão com o candidato republicano à reeleição, Donald Trump, na noite de terça-feira (29).

Na tarde desta quarta-feira, Bolsonaro publicou em suas redes sociais que “o Brasil mudou. Hoje, seu Presidente, diferentemente da esquerda, não mais aceita subornos”.

O texto do presidente é bilíngue – uma versão em português, e outra em inglês. Ao estilo Trump, Bolsonaro afirmou em primeira pessoa: “Meu governo está realizando ações sem precedentes para proteger a Amazônia. Cooperação dos EUA é bem-vinda, inclusive para projetos de investimento sustentável que criem emprego digno para a população amazônica, tal como tenho conversado com o Presidente Trump.”

No final do texto em português, o presidente exclama: “Lamentável, Sr. Joe Biden! Em inglês, “What a shame, Mr. John Biden!”. Em tradução mais literal, seria “Que vergonha, sr. John Biden!”

Biden certamente se sentirá mais ofendido por ter sido chamado de João (John) e não por seu nome correto: José (Joseph).

Veja as duas versões publicadas no Facebook:

biden– O candidato à presidência dos EUA, Joe Biden, disse ontem que poderia nos pagar U$ 20 bilhões para pararmos de “destruir” a Amazônia ou nos imporia sérias restrições econômicas.

– O que alguns ainda não entenderam é que o Brasil mudou. Hoje, seu Presidente, diferentemente da esquerda, não mais aceita subornos, criminosas demarcações ou infundadas ameaças. NOSSA SOBERANIA É INEGOCIÁVEL.

– Meu governo está realizando ações sem precedentes para proteger a Amazônia. Cooperação dos EUA é bem-vinda, inclusive para projetos de investimento sustentável que criem emprego digno para a população amazônica, tal como tenho conversado com o Presidente Trump.

– A cobiça de alguns países sobre a Amazônia é uma realidade. Contudo, a externação por alguém que disputa o comando de seu país sinaliza claramente abrir mão de uma convivência cordial e profícua.

– Custo entender, como chefe de Estado que reabriu plenamente a sua diplomacia com os Estados Unidos, depois de décadas de governos hostis, tão desastrosa e gratuita declaração.

– Lamentável, Sr. Joe Biden, sob todos os aspectos, lamentável.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXX

The Democratic candidate to the US presidency, Joe Biden, stated yesterday that he could pay us as much as US$20 billion to stop the “destruction” of the Amazon Rainforest adding that, if we did not accept this offer, he would then impose serious economic sancions on our country.

– What some have not yet understood is that Brazil has changed. Its President, unlike the left-wing presidents of the past, does not accept bribes, criminal land demarcations or coward threats towards our territorial and economic integrity. OUR SOVEREIGNTY IS NON-NEGOTIABLE.

– My government is putting forward unprecedented action to protect the Amazon and safeguard our environment. Cooperation with the US is welcome in every front, including on sustainable development and investments that may bring jobs to the Amazonic population, such as the initiatives that I’ve been negotiating with President Trump.

– The greed of some countries towards the Amazon is a well-known fact. However, the explicit demonstration of this greed by someone who is running for the presidency of his country is a clear sign of contempt for cordial and fruitful coexistence between two sovereign nations.

– As the head of state who has brought Brazil-US relations closer than ever before, after decades of governments that were unfriendly towards the US, it is really difficult to understand such a disastrous and unnecessary declaration.

– What a shame, Mr. John Biden! What a shame!

Deixe uma resposta