Barroso lançará campanha em defesa do voto eletrônico

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

No momento em que avança com força no Congresso a PEC do voto impresso, Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral, decidiu lançar uma campanha sobre a segurança, transparência e auditabilidade” do sistema eletrônico.

Ele apresentará à imprensa nesta sexta-feira (14)um vídeo institucional que passará a ser divulgado pela Corte e concederá uma entrevista para defender a urna eletrônica. Barroso é contra o voto impresso por considerar que ele aumentará a judicialização do processo eleitoral, com mais questionamentos sobre o resultado das disputas.

Nesta quinta-feira (13), quando se completam 25 anos da urna eletrônica, o presidente do TSE disse que nunca foi comprovada qualquer fraude na votação eletrônica, como diz Jair Bolsonaro.

“O Brasil tem muitos problemas que o processo democrático e a democracia ajudam a enfrentar e resolver, mas um desses problemas não é a urna eletrônica, que até aqui tem sido parte da solução, assegurando um sistema íntegro e que tem permitido a alternância de poder sem que jamais se tenha questionado de maneira documentada e efetiva”, afirmou, durante sessão no TSE.

Barroso lançará campanha em defesa do voto eletrônicoHistória da urna – No dia 13 de maio de 1996, há exatamente 25 anos, o TSE enviou as primeiras urnas eletrônicas aos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) para que eles pudessem conhecer o equipamento que seria utilizado nas eleições municipais daquele ano.

Em mais de duas décadas, a urna passou por constantes evoluções e se consolidou como a forma mais segura para o exercício da democracia por meio do voto eletrônico.

É importante destacar que o primeiro Código Eleitoral de 1932 já previa em seu artigo 57 o “uso das máquinas de votar”, regulado oportunamente pelo Tribunal Superior (Eleitoral), assegurado o sigilo do voto.

Mas a história da informatização das eleições teve início com a consolidação do cadastro único e automatizado de eleitores, que começou em 1985 e foi finalizado em 1986. Durante alguns anos, diversos protótipos de urnas eletrônicas foram apresentados pelos TREs. Em 1994, o TSE realizou pela primeira vez o processamento eletrônico do resultado das eleições gerais daquele ano, com recursos computacionais da própria Justiça Eleitoral.

Após muitos estudos e testes, os eleitores tiveram o primeiro contato com a urna eletrônica nas eleições municipais de 1996. Na ocasião, mais de 32 milhões de brasileiros, um terço do eleitorado da época, votaram nas mais de 70 mil urnas eletrônicas produzidas para aquelas eleições. Participaram 57 cidades com mais de 200 mil eleitores, entre elas, 26 capitais. (De O Antagonista e TSE).

 

Deixe uma resposta