Além dos 2.500 quilômetros de rodovias já pedagiadas do Anel de Integração – cujos contratos de concessão terminam em 2021 -, o governo do estado e a União definiram outros 1.600 quilômetros de estradas que serão concedidas à iniciativa privada: PR-092 (Norte Pioneiro), PR-323 (Noroeste) e PR-280 (Sudoeste).

Estudos para a modelagem do novo sistema, que promete tarifas mais baixas do que as atualmente praticadas no estado, foram objeto da ordem de serviço assinada nesta sexta-feira (13) entre a secretaria estadual de Infraestrutura e Logística e o ministério da Infraestrutura. No total, o Paraná terá 4,1 mil quilômetros de rodovias pedagiadas até 2021.

A expectativa é que este estudo, que vai indicar a modelagem para o contrato de concessão, fique pronto num prazo de nove meses.

“Não queremos a repetição do modelo que não deu certo no Paraná. Por isso estamos juntos com o governo federal e temos a certeza que vamos fazer o melhor e mais transparente modelo de concessões”, afirmou o secretário Sandro Alex. “Nesta nova modelagem teremos mais obras e uma menor tarifa para o usuário”, explicou. “Possivelmente será o maior lote de concessões do Brasil”, completou.

“O motorista paranaense pode esperar, principalmente, muito investimento e uma rodovia muito melhor, com uma tarifa menor”, disse Roger Silva Pegâs, diretor de Transporte Rodoviário da Secretaria Nacional de Transportes Terrestres. Segundo ele, a redução na tarifa decorrerá da retirada de uma série de disfunções que aconteceram nestes contratos antigos, de 1997.