Arredondando: 100 mil mortos no Brasil

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

Por Claudio Henrique de Castro – Por quais razões o Brasil lidera o número de mortes no mundo e atinge a marca de 100 mil mortes?

A resposta pode ser obtida na postura do governo federal, as declarações distorcidas do Presidente, a troca de dois ministros da Saúde, a expulsão dos médicos cubanos, um ministro interino que nem é médico e a negação da ciência em muitas afirmações.

As brigas do governo federal com governadores, prefeitos e o Supremo Tribunal Federal (STF).

A ausência de foco no combate à pandemia e uma postura institucional da fatalidade da perda de vidas.

As desinformações que surgiram desde a cloroquina até a recente,aplicação do ozônio no ânus, num misto de desprezo pelo isolamento, pouco caso do uso de máscaras e a negação da estratégia do isolamento social.

Não nos esqueçamos de prefeitos e governadores que estão perfeitamente alinhados com este discurso e, em boa parte, a bancada evangélica que nega práticas preventivas e prega o retorno à normalidade.

A vida tornou-se um custo necessário para a economia: “vão morrer mesmo”, “e daí”?”, “Não sou coveiro” e tantas outras frases que são repetidas por apoiadores, eleitores convictos e lideranças políticas que se elegeram com discursos do combate à corrupção e a propaganda eleitoral, em grande monta, baseada em fake news.

Também a fanfarronice (real)de ameaçar fechar o STF e o Congresso Nacional.

Vamos recordar algumas frases ditas por Bolsonaro e a evolução da pandemia no Brasil:

– Vírus superdimensionado (9/03);25 casos;

– Outras gripes mataram mais (11/03);

– Em 2019, 2010, teve crise semelhante (15/03);

– Não podemos entrar numa neurose(15/03) – 200 casos;

– Esse vírus trouxe uma certa histeria (17/03); 291 casos e 1 morte;

– Não vai ser uma gripezinha que vai me derrubar (20/03); 904 casos e 11 mortes;

– Não dá pra fazer mais do que estamos fazendo (23/03);

– O povo saberá que foi enganado por esses governadores e por parte da grande mídia (22/03)

– Nada sentiria, ou sentiria, quando muito, uma gripezinha ou resfriadinho (24/03);

– Eu acho que não chega a esse ponto (26/03);

– A maioria das mortes não tem nada a ver com o coronavírus (27/03);

– Não estou acreditando nesses números (27/03) 3.417 casos e 92 mortes;

– Todosnós iremos morrer um dia (29/03); 4.256 casos e 136 mortes;

– Vai morrer gente? Vai! (30/03); 483 mortes;

– Vírus é igual a uma chuva. Você vai se molhar, mas não vai morrer afogado (01/04);

– Tá com medinho de pegar o vírus? (02/04); 784 mortos;

– O vírus está indo embora (12/04); 22.169 casos e 1.223 mortes;

– Eu não sou coveiro, tá? (20/04); 40.581 casos e 2.575 mortes;

– E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre (28/04); 71.886 casos e 5017 mortes;

– E agora, com a azitromicina, pode ser um alento para essa quantidade enorme de óbitos que estamos tendo no Brasil (13/05);

– Que pode dar certo, pode não dar certo [a cloroquina]. (13/05);12.400 mortos;

– Há quase um consenso na classe médica sobre esse assunto, a cloroquina. (13/05);

– Não deu certo em lugar nenhum do mundo [o lockdown]. (14/05) (Falso)

– O mais jovem acometido [com Covid-19] dificilmente se agrava o problema dele. (14/05);

– Quem é de direita toma cloroquina. Quem é de esquerda toma Tubaína (19/05); 16.792 mortos;

– Nós sabemos que não tem uma comprovação científica [a hidroxicloroquina]. (21/05);

– Os que estão morrendo, lamentavelmente, não tem como evitar a morte deles.(22/05);

– Mas não tem outro remédio, o que seria um novo remédio. Só tem a cloroquina. (04/06)

– Até a hidroxicloroquina não tem comprovação. (09/06);  36.455 mortos;

– Não temos informações de que qualquer pessoa tenha falecido por falta de UTIs e respiradores. (15/06) (Muitos relatos contrariam esta afirmação);

– Quase 90% [dos infectados com Covid-19] não sente nada. Nem sabe que tem. (19/06) (Insustentável cientificamente);

– Nós, ao longo desses meses, despendemos quase R$ 1 trilhão [no combate ao coronavírus].(07/07) (212,7 bilhão na realidade); 65.487 mortos;

– O vírus, quem tem que se proteger? O idoso, no meu caso, 65 anos de idade. (09/07);

– Por que que tá morrendo menos gente mesmo com a pandemia, levando-se em conta todos os tipos de óbitos, menos gente do que o ano passado? (09/07) (Falso)

– Sabíamos da potencialidade do vírus (15/07); 74.133 mortos;

– Por que negar (a hidroxicloroquina)? Não tem outra alternativa. (16/07);

– Não sou médico, não recomento pra ninguém (a cloroquina) (16/07);

– Todos dizem, são unânimes, que pelo menos 70% da população vai ser infectado. (16/07); (Falso cientificamente)

– Pelo que eu sei, ninguém morreu por falta de EPI ou respirador [no Brasil] (18/07); 78.851 mortos;

– Hoje a AMB recomendou que fosse usado esse medicamento [cloroquina] para combater o vírus em fase inicial. (20/07) (informação falsa); 79.488 mortes;

– Não tem comprovação científica? Não tem. Mas também não tem dizendo que não faz efeito. (30/07); 90.134 mortos;

– Ainda não temos alternativa para o tratamento da Covid-19 além da hidroxicloroquina (01/08);

– Não temos um remédio comprovado cientificamente (06/08); 97.256 mortos;

– A gente lamenta todas as mortes, está chegando a 100 mil, vamos tocar a vida e buscar uma maneira de se safar desse problema. (06/08);

Em 08 de agosto 99.572 mortos, na futura atualização dos boletins chegaremos a 100 mil mortes no Brasil.

Bolsonaro, segundo o site Aos Fatos, fez 1510 declarações falsas ou distorcidas, em 583 dias, a posse até 06 de agosto, sendo em 2020: março (163), abril (156), maio (203), junho (146) e julho (129).

Em 07 de agosto de 2020 o Brasil, estava com 2,91 milhões de infectados, e lidera as mortes no mundo em 24 horas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), com 1437 mortes, seguido dos EUA com 1307 e Índia com 886.

Podemos mudar o curso dos acontecimentos? O poder judiciário, as oabs, as entidades de classe dos Profissionais da Saúde, as assembleias estaduais e as câmaras municipais, o congresso nacional, dominado pelo Centrão? Ou o próprio governo pode dar uma guinada nestes acontecimentos?

Podemos retornar às aulas, expor crianças, jovens, professores, funcionários e famílias, para os tubarões do ensino lucrarem a todo custo? Mesmo com a pandemia não ter atingido a curva descendente?

Podemos votar nas eleições deste ano sem risco algum para as pessoas?

Relaxar o isolamento social, mesmo liderando a expansão da pandemia no mundo?

Por que as fronteiras estão se fechando para brasileiros no exterior?

É hora de mudar os rumos do enfrentamento da pandemia no Brasil, 100 mil mortes é uma cifra assustadora e inimaginável, mas foi atingida.

A expansão da pandemia e as mortes são evitáveis, vejamos os países que estão vencendo a doença.

 

Fontes:

https://operamundi.uol.com.br/coronavirus/63984/siga-em-graficos-evolucao-de-casos-e-mortes-por-coronavirus-no-brasil-e-veja-se-pais-esta-achatando-curva

https://www.aosfatos.org/todas-as-declara%C3%A7%C3%B5es-de-bolsonaro/

https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2020/05/01/todos-nos-vamos-morrer-um-dia-as-frases-de-bolsonaro-durante-a-pandemia.htm

Deixe uma resposta