Aécio Neves e Beto Richa: destinos traçados

(por Ruth Bolognese) – A semelhança nas respectivas carreiras políticas, o mesmo partido, a juventude e até mesmo um biotipo parecido faz com que toda vez que o mineiro Aécio Neves passa por agruras públicas, a gente pensa imediatamente no ex-governador Beto Richa.

Hoje a Polícia Federal revistou as residências de Aécio em Minas e no Rio de Janeiro em busca de fatos e dados para aprofundar as delações dos executivos do grupo JBS. Em nota, o senador por Minas negou tudo, desde a existência de notas frias para justificar “doações” da JBS até a acusação da compra de apoio de partidos como o Solidariedade, de Paulinho da Força, na campanha.

O fato é que Aécio Neves se envolveu em tantas confusões que não é essa nem a primeira, nem a última investigação da Polícia Federal na tentativa de elucidar os fatos.

Mesmíssima situação do ex-governador Beto Richa: com o principal assessor, Deonilson Roldo, ainda preso em Pinhais e o operador central, empresário Jorge Atherino, preso na Polícia Federal, e o nome citado nas Operações Integração I e II, Rádio Patrulha e Quadro Negro, Beto está sempre na mira de uma possível prisão. Há uma expectativa permanente de que venha a perder efeito aquele habeas corpus preventivo concedido pelo ministro Gilmar Mendes para que ele e a mulher, Fernanda, e o irmão Pepe não sejam presos no decorrer das investigações. Mas é apenas uma decisão judicial, que pode cair a qualquer momento.

O senador Aécio Neves, pelo menos, tem uma vantagem sobre Beto Richa: ele não foi preso. Pelo menos até agora.

2018-12-11T13:49:14+00:00 11 dezembro - 2018 - 13:49|Brasil, Paraná, Política|5 Comentários


5 Comentários

  1. Eduardo Pereira 11 de dezembro de 2018 em 14:32 - Responder

    Impressionante o timming da PF. deixou o cara ser eleito para deflagrar a operação quando o cara vai assumir novo mandato. Com o richa foi do mes mo jeito. Podiam ter feito antes e deixa\ram que ele quase fosse eleito.

    Se fosse alguem do PT tava em cana ha anos . Com o moto tucano no poder, o gilmar mendes vai ficar sem serventia e talvez deixe de fazer politica de toga para cuidar apenas dos interesses dos amigos no STF .

  2. ROGERIO CESAR DA SILVA 11 de dezembro de 2018 em 16:05 - Responder

    Não é justo com ninguém e muito menos com a justiça,estes senhores passarem imunes, nas penalidades da lei e é muito bom ver que as investigações e o castigo chegaram no andar de cima também,chega de tanta impunidade com desvios das autoridades e os colarinhos brancos,justiça já e para todos.

  3. Zangado 11 de dezembro de 2018 em 17:30 - Responder

    Como é que esses dois piás, de famílias ilustres, ricos, cheios de votos, bem sucedidos nas suas carreiras, se tornaram tão salafras … mas eles negam e se dizem injuriados … expressionante a cachaça política !

  4. almeirão 11 de dezembro de 2018 em 18:29 - Responder

    Faltou Marconi Perillo, goiano e juvenil como estes 2 salafras.
    Destruíram as famílias.

  5. Ricardo R 11 de dezembro de 2018 em 21:07 - Responder

    Afinal, o que a PF esperava encontrar agora nas buscas nos endereços desse pessoal? Passados vários meses desde que o primeiro escândalo estourou, não vão achar nem fotos de festas de família, que até essas devem ter sido destruídas por via das dúvidas, nesse meio tempo. A eficiência do trabalho da polícia e do ministério público é bem menor quando se trata de investigar tucanos.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixe uma resposta