Início Paraná Pedido de vista adia votação de PEC que cria departamento de Polícia...

Pedido de vista adia votação de PEC que cria departamento de Polícia Penal do Paraná

Um pedido de vista formulado nessa segunda-feira (4) pelo deputado estadual Michele Caputo (PSDB) adiou a discussão da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 1/2021, de autoria do Poder Executivo, que propõe a criação do Departamento de Polícia Penal (Deppen) no âmbito da Segurança Pública do Paraná. A matéria está sendo analisada por uma Comissão Especial da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep). O objetivo do governo é a harmonização da legislação estadual com a uma recente alteração constitucional promovida pela Emenda Constitucional 104/2019, que previu a existência da Polícia Penal entre os órgãos integrantes da Segurança Pública. O grupo volta a se reunir nesta terça-feira (05), após a sessão plenária, para continuar o debate.

A proposta recebeu parecer favorável do relator, deputado Delegado Jacovós (PL), na forma de um substitutivo. “O substitutivo é praticamente semelhante à proposta original, mas que não falava em custódia temporária. Foi acrescentado isso. Neste caso, o preso autuado em flagrante já fica sob responsabilidade do DEPEN”, disse. Em seu voto, Jacovós não acatou as oito emendas propostas pelos parlamentares.

O deputado Michele Caputo informou que pretende apresentar um voto em separado ao do relator, por discordar de determinações em relação à direção do Departamento de Polícia Penal. “Vou apresentar um voto em separado ao do relator. A formação da Policia Penal é um grande avanço, mas este ponto me preocupa: que a direção possa ser ocupada também por policiais não penais. Que não fique restrito. Uma coisa é que compõe esse órgão, outra quem o dirige”, afirmou.

Com a criação, o Governo pretende que o Departamento de Polícia Penal fique responsável pelas questões relativas aos presos no Estado do Paraná, com atos de gestão, fiscalização, controle e segurança de unidades penais, além da fiscalização do cumprimento das medidas alternativas à prisão, como o monitoramento eletrônico por meio de tornozeleiras. “Nossa Constituição previu quem seriam nossas forças policiais e não continha a polícia penal. Por isso foi necessária uma emenda constitucional em nível federal prevendo a polícia penal. Na Constituição Estadual também não havia essa previsão. A PEC insere em nível estadual a polícia penal. Precisávamos harmonizar nossa Constituição em consonância à norma federal”, afirmou Jacovós.

O Governo destaca ainda que a medida não trará aumento de despesas para o Estado e que o Deppen será “o responsável pelas questões relativas aos presos no Estado do Paraná, mediante atos de gestão, fiscalização, controle e segurança de unidades penais, além da fiscalização do cumprimento das medidas alternativas à prisão, como por exemplo, o monitoramento eletrônico por meio de tornozeleiras”.

Após aprovação na Comissão Especial, a PEC está apta para ser analisada em plenário por todos os deputados. São necessários 33 votos favoráveis, em dois turnos, para a aprovação. A admissibilidade da PEC já havia sido aprovada pela Comissão e Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia.

Participaram ainda da reunião os deputados Delegado Fernando Martins (PSL), presidente da Comissão, Ademir Bier (PSD) e Tiago Amaral (PSB).

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile