Obras de revitalização da Orla de Matinhos alcançam 80%

Há um ano, o governador Ratinho Junior  (PSD) anunciava o início das obras de recuperação da orla de Matinhos, no Litoral do Paraná, colocando fim a uma espera de décadas. A autorização, via rádio, era para que comandante da draga Galileo Galilei começasse o bombeamento da areia que permitiria a engorda da faixa litorânea.

Agora, exatamente 366 dias depois, o projeto atingiu 80% de conclusão, segundo balanço mensal divulgado nesta segunda-feira (26) pelo Instituto Água e Terra (IAT) em parceria com o Consórcio Sambaqui, grupo de empresas responsável pelas obras, vencedor da licitação pública. O engordamento da faixa de areia, inclusive, foi completamente concluído, assim como algumas das estruturas marítimas semirrígidas.

Agora os veranistas e moradores contam com um espaço com largura variando entre 70 metros e 100 metros à beira-mar. O investimento do Governo do Estado na revitalização é de R$ 314,9 milhões, com previsão de término para o segundo semestre de 2024.

“Essa é uma das obras mais importantes da história do Paraná, que vai mudar definitivamente o status do nosso Litoral”, disse o diretor-presidente do IAT, Everton Souza. “Estamos dentro do cronograma e, pelo ritmo, posso dizer que até meados do ano que vem a obra estará concluída. A temporada de verão de 2024 para 2025 já será com uma nova orla em Matinhos. Preciso ressaltar e agradecer todo o empenho da equipe do instituto. Eles fizeram com que a obra acontecesse e andasse em bom ritmo.

Panorama

O panorama atual da intervenção em Matinhos, de acordo com o relatório, aponta que muitas das estruturas que compõem a obra estão 100% concluídas. São os casos do Espigão da Praia Brava e dos Headlands de Riviera e Flórida. Além disso, a etapa de lançamento de tetrápodes na Praia Brava (340), Flórida (681), Riviera (681) e Matinhos Norte (469) também foi finalizada.

Segue agora apenas na área Paraná Sul (66,6%) – as estruturas de concreto têm cerca de 3 metros de altura e 4,3 metros cúbicos de volume, pesando, cada uma, entre 10 e 12 toneladas. São peças essenciais para evitar possíveis danos às estruturas marítimas.

“São peças essenciais para a manutenção da areia, para que não haja a necessidade de uma nova engorda de praia daqui uns 15, 20 anos. Estruturas que também vão colaborar com o paisagismo, criando novos pontos turísticos para Matinhos”, afirmou Souza. (AEN; Foto: Albari Rosa/AEN).

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui