Início Paraná Coronavírus: MP cobra de Greca manutenção da bandeira amarela

Coronavírus: MP cobra de Greca manutenção da bandeira amarela

O Ministério Público do Paraná (MPPR) , por meio da Promotoria de Justiça de Proteção à Saúde Pública de Curitiba, manifestou-se nos autos da ação civil pública que questiona a matriz de risco adotada pela Prefeitura da capital para o enfrentamento da pandemia. A medida foi adotada a partir da publicação do Decreto Municipal 1.570, na última sexta-feira (20), que, apesar do aumento expressivo do número de casos de contaminação por coronavírus na cidade, prorrogou por mais uma semana a vigência da bandeira amarela (nível 1 de alerta).

Na petição, o MPPR requer ao Juízo a análise do mérito do pedido feito na ação civil pública, no sentido de que o Município de Curitiba, enquanto durar o estado de emergência de saúde pública decorrente da pandemia, oriente-se a partir de matriz de risco adequada à prevenção e ao enfrentamento da Covid-19. De acordo com boletim da Secretaria Municipal de Saúde dessa segunda-feira (23), foram registrados 1.339 novos casos e dez novas mortes causadas pela doença.

A Promotoria de Justiça sustenta que a matriz de risco atualmente utilizada pelo Município vem se mostrando ineficaz na prevenção e adoção de providências resolutivas para o enfrentamento da pandemia, sobretudo porque não permite a identificação eficiente de possíveis ameaças e vulnerabilidades causadoras dos riscos sanitários, não indica os métodos de cálculo e de avaliação desses riscos, não estabelece ordem de prioridade a ser levada em consideração nesses cálculos e avaliações de risco e tampouco permite explicitar as providências e ações de controle propostas a partir da metodologia seguida.

Ao demonstrar as fragilidades da matriz adotada, o MPPR argumenta que “o Município de Curitiba vem trilhando caminho contrário ao proposto pelas autoridades sanitárias do Estado do Paraná e pelos referidos Conselhos (Conselho Nacional de Secretários de Saúde e Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde)”. Para o MPPR, tal ordem de coisas tem estimulado a diminuição do isolamento social entre a população do município, o que aumenta os riscos de propagação do coronavírus.

A manifestação foi juntada nos autos do processo que já tramita na Vara da Fazenda Pública de Curitiba, a partir do ajuizamento de ação civil pública em 19 de agosto deste ano. (MPPR).

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile