O ex-secretário da Fazenda no governo Cida Borghetti, José Luiz Bovo, não gostou de ouvir seu sucessor, Renê Garcia, afirmar que “trabalha no escuro” por não contar com dados consistentes sobre a situação financeira do estado. Em entrevista coletiva na quinta (10), Garcia diz ser impossível ter certeza de que o caixa do estado ficou com R$ 5 bilhões e que R$ 400 milhões estão livres para projetos à escolha da nova gestão.

À noite, Bovo postou em sua conta no Facebook sua resposta a Garcia e reafirma que o governo anterior mantinha as contas sob controle, apesar das dificuldades técnicas que afetam o sistema de processamento contábil das finanças (Siafi). O ex-secretário anexou à sua postagem relatórios da gestão referentes a 2018.

Antes, já havia remetido a Renê Garcia cópias dos extratos bancários referentes às aplicações financeiras do estado no Banco do Brasil e que apontam saldo superior a R$ 5 bilhões.

Bovo escreveu no Facebook:

Amigos e amigas do Face. O secretário de Fazenda do Paraná, Renê de Oliveira Garcia Junior, concedeu uma entrevista coletiva hoje, 10 de janeiro, em que colocou dúvidas sobre a situação das finanças do Paraná. Anunciou a criação de uma força tarefa, que é bem-vinda, para esclarecimento da lisura do governo Cida Borghetti, que entregou o Paraná a Ratinho Junior com as contas em dia, salários e 13º pagos, dinheiro em caixa para honrar todos os compromissos, certidões em dia. Com certeza, o Estado do Paraná possui uma das melhores situações econômicas e fiscais do país. Fui convidado pela governadora para participar de uma gestão fiscal responsável, que ajudamos a fazer. Realizamos um trabalho em conjunto com os técnicos da Secretaria de Estado da Fazenda, com planejamento estratégico, reuniões semanais de acompanhamento da execução orçamentária e cumprimento das metas fiscais. Controle efetivo para evitar a extrapolação das despesas correntes (pessoal e custeio) e acompanhamento diário da arrecadação.