De Marcel Proust a Carlos Alberto

Ilustríssimo ex-governador, aspirante a senador e filósofo!

Muito me lisonjeou a sua tripla citação de uma frase a mim atribuída: “o tempo é o senhor da razão”. Alivia-me saber que o senhor – mesmo sendo aficcionado por velocidade – não me confunde como parente de um famoso piloto de fórmula 1, aliás meu compatriota (o sobrenome dele não tem “u”).

Voltando aos devaneios filosóficos e para restabelecer a verdade, devo confessar que a frase não é minha. É um ditado latino “magister quod est”, que utilizo naquela que é considerada minha obra prima escrita há mais de 100 anos, “Em busca do tempo perdido”, publicada em 7 volumes. Por se tratar de uma leitura considerada complexa, gostaria, respeitosamente de alertá-lo, pois a frase foi empregada num contexto de memória voluntária e involuntária. Fala sobre aquela memória do que é real e daquela que gostaríamos que tivesse sido real. Ou, no caso político, daquela memória que gostaríamos que as pessoas (eleitores) pensassem que foi real.

Dois outros conterrâneos seus – também políticos – empregavam a frase. Um deles, de saudosa memória, o deputado Ulisses Guimarães. Para ele, razão, tempo e equilíbrio eram fatores da mesma equação. O outro, Fernando Collor de Mello dispensa adjetivação, sob o risco de chocar leitores sensíveis. Collor certamente imaginava que as coisas se ajeitariam aos trancos e barrancos, e as pessoas se esqueceriam.

Aconselho a seguir outra frase, na verdade um provérbio árabe: “Cuidado com o que você deseja…”. Porque se o que o senhor deseja é que o tempo seja o senhor da razão, é bom lembrar que nem sempre o tempo é amigo. Ele também sabe ser algoz. E com essa tal de internet e redes sociais, o tempo não flui devagar e a razão não é um valor preponderante.

Afetuosamente,

Marcel Proust

*Valentin Louis Eugène Georges Marcel Proust ( 1871-1922) nasceu nos arredores de Paris. De família rica, pôde se dedicar exclusivamente a estudar e escrever. É considerado um dos escritores mais estudados nos círculos filosóficos e literários da Europa.

3 COMENTÁRIOS

  1. Ex-governador que deixou a rodovia entre Curitiba e Ponta Grossa ficar nesse autêntico solavancódromo, totalmente fora das normas brasileiras de pavimentação, não fiscalizando corretamente a concessionária, embora provocado protocolarmente em duas ocasiões, e ainda a Sanepar agir ilegalmente em Ponta Grossa, solicitando Usucapião de imóvel público que pertence ao Município de Ponta Grossa, de quem a Sanepar é apenas concessionária dos serviços de água e esgoto há anos, não deve saber qual é o significado das palavras “governar” e “republica” ! Sem falar em outras obrigações.

  2. Não exijam muito de Carlos Alberto.Para ele Proust é Prost. Schoppenhauer é Schumacher. Levi Strauss é Lewis Hamilton. Ou marca de jeans. E choque de gestão é comprar nos outlets de Miami.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui