Câmara aprova reajuste salarial ao funcionalismo de Curitiba

COMPARTILHE:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Após cinco horas de discussão em plenário, os vereadores da Câmara Municipal de Curitiba (CMC) aprovaram nessa quarta-feira (12), em primeiro turno, os projetos de lei que concedem a recomposição da inflação aos servidores do Executivo e do Legislativo, incluindo os agentes políticos e o subsídio dos parlamentares. Para entrarem em vigor, os reajustes precisam ser ratificados nesta quinta (13), na votação em segundo turno, e depois sancionados pelo prefeito, com publicação no Diário Oficial do Município.

Com a rejeição das emendas pelo plenário, foram aprovados os textos originais dos cinco projetos de lei que tratavam da reposição da inflação. Isto significa que será concedido 13,71%, aos servidores e agentes políticos do Executivo, 19,22% aos funcionários do Legislativo e 11,59% aos vereadores. Nessa quarta também foi aprovado o reajuste da inflação aos conselheiros tutelares. A sessão foi realizada de forma remota, totalmente pela internet, sem o sistema híbrido do plenário, num momento em que a CMC observa a situação da pandemia na capital.
Reajustes do Executivo
As reposições aos funcionários e aos agentes políticos da Prefeitura de Curitiba são objeto de dois projetos de lei, que concedem, respectivamente, 3,14% e 10,25%. Como um incide sobre o outro, a aplicação de ambos resulta no índice pretendido pelo Executivo, de 13,71%. As reposições abarcam a inflação aferida de outubro de 2019 a setembro de 2021 (24 meses), apurada pelo IPCA. Segundo cálculo anexado aos projetos, o impacto da medida nas contas da prefeitura é de R$ 386 milhões neste ano.

Em resposta a questionamento da Comissão de Economia, Finanças e Fiscalização, a Prefeitura de Curitiba esclareceu que o índice será pago aos servidores concursados, aos funcionários admitidos por PSS e aos agentes comunitários de saúde e de combate a endemias. Sobre o impacto na previdência, ele será de R$ 271 milhões, que o Executivo disse, no mesmo documento, que, como “a folha de inativos é custeada pelo valor da contribuição de ativos e inativos”, ela “deve subir proporcionalmente possibilitando os pagamentos”.

Ambos os projetos foram aprovados com o mesmo placar, com 34 votos favoráveis, 2 contrários e 1 abstenção. Foram rejeitadas, pela maioria dos parlamentares, as emendas protocoladas por Flávia Francischini (PSL), Amália Tortato (Novo), Indiara Barbosa (Novo) e Denian Couto (Pode) buscando excluir do reajuste os agentes políticos do Executivo. O plenário também rejeitou propostas de Carol Dartora (PT), Maria Leticia (PV) e Professora Josete (PT) para substituir o IPCA pelo INPC, que resultaria em um reajuste maior que o sugerido pelo Executivo.

Reajustes do Legislativo
O projeto de lei tratando do reajuste da inflação na Câmara Municipal de Curitiba foi aprovado com 32 votos favoráveis, 2 contrários e 2 abstenções. A proposta é de 19,22%, referente ao IPCA apurado em 29 meses. “Ou seja, o índice da CMC é maior do que o da prefeitura porque o período apurado é igualmente maior”, explicou, em plenário, Tico Kuzma (Pros), presidente do Legislativo, que assina a proposta com a segunda secretária, Professora Josete (PT). Foram considerados 16,22% apurados entre outubro de 2019 e novembro de 2021 e 3% a título de complementação do período da data-base referente aos meses de dezembro de 2021 e janeiro e fevereiro de 2022.

Na mesma iniciativa da CMC, em atendimento à lei municipal 15.655/2020, está prevista a revisão de 11,59% ao subsídio dos vereadores, que corresponde à perda inflacionária acumulada, segundo o IPCA, no período de julho de 2020 (pró-rata) a setembro de 2021. Isto elevará o subsídio de R$ 15,5 mil para R$ 17,4 mil, sem aumentar a remuneração do presidente da CMC, de R$ 18,9 mil, que é limitada a 75% do subsídio dos deputados estaduais – a regra do “abate teto”.

Após a discussão em plenário, foi rejeitada por 26 a 9 votos, a emenda que suprimia a reposição da inflação ao subsídio dos parlamentares. A proposta também foi apresentada por Flávia Francischini, Indiara Barbosa, Amália Tortato e Denian Couto, que no projeto do Executivo propuseram excluir os agentes políticos da política de recomposição salarial. O impacto total do reajuste na CMC, em 2022, é de R$ 61,6 milhões..

 

Deixe uma resposta