Teich não explica motivos da saída, mas garante que deixou plano pronto

Sem dar os motivos de sua saída do Ministério da Saúde, o médico oncologista Nelson Teich fez na tarde desta sexta-feira (15) um discurso de despedida de apenas oito minutos. “A vida é feita de escolhas. Eu hoje escolhi sair”, disse.

“Dei o melhor de mim. Não é uma coisa simples estar a frente do ministério em um período tão difícil”, destacou. “Nesse período, a gente auxiliou Estados e municípios a enfrentar essas dificuldades [do coronavírus]. São duas questões, respiradores e recursos humanos. Isso em meio à crise mundial. É uma luta diária para que a gente consiga auxiliar estados e municípios”, prosseguiu.

Mesmo após os desentendimentos com o presidente, Teich agradeceu Bolsonaro pela “oportunidade” de assumir o cargo em uma época como a atual. “Isso era uma coisa muito importante para mim. Seria muito ruim na minha carreira não ter tido a oportunidade de trabalhar no ministério, no serviço público”, afirmou.

Testagem – Em sua defesa, Teich disse que, ao longo da sua breve atuação como ministro, conseguiu montar a estrutura de um sistema de testagem da doença no país. “A gente iniciou as visitas nas cidades mais atingidas. Isso foi fundamental. Entender melhor o que acontece na ponta. Esse entendimento foi fundamental para desenho de ações. Cada cidade que a gente vai a gente tá melhor preparado para enfrentar o desafio”, pontuou.

Teich assumiu a pasta no último dia 17, ou seja, há 28 dias. Ele entrou no lugar do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta – exonerado após desavenças com Bolsonaro sobre a crise de coronavírus.

Assista:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui