Curitiba: turismo terceirizado e marginal

(por Ruth Bolognese) – Guiar um visitante pelas ruas de Curitiba hoje é de passar vergonha. Os parques estão tomados por carros de churros, cachorro-quente, refrigerantes e pipoca que estacionam nas faixas amarelas e atrapalham desde a entrada até a caminhada pelos parques e locais históricos.

Estacionar um carro próximo aos pontos turísticos é outro drama. Na Ópera de Arame os guardadores cobram até R$15,00, dominam a área e dão medo. Eles trabalham com tabela de preços, a céu aberto.

No Centro Cívico, há cinco anos, um casal domina toda a área do estacionamento e o lobby é tão grande que se a “minha Margarita” procurar uma vaga, terá que esperar e pagar. Desde que não use o carro oficial com segurança, lógico. Nem Estar a prefeitura conseguiu instalar na região.

Sabe aquela sensação que a gente tem quando chega alguém em casa de repente e a diarista não vem há duas semanas? É a mesma de levar um turista conhecer Curitiba: através dos olhos da visita vemos uma cidade dominada totalmente por terceiros, sem padrão nem vigilância – de guardadores de carros aos já mencionados carros de tudo quanto é bugiganga – sem controle algum, sem fiscalização e a guarda municipal é igual à diarista: não se vê nem sinal.

É o que temos. Rafael Greca, como prefeito, está ficando cada vez mais, um grande poeta. Pura fuga.

2017-11-06T11:50:33+00:00 06 novembro - 2017 - 11:27|Brasil, Paraná, Política|3 Comentários


3 Comentários

  1. zangado 6 de novembro de 2017 em 12:07 - Responder

    As ruas, como marechal deodoro e joão negrão, estão sendo tomadas por vendedores ambulantes, mas com lugar fixo nessas ruas e esquinas, com aqueles carros verdes cheios de mercadorias, atitude extemporânea do então prefeito Mauricio Fruet que permitiu essa atividade no centro da cidade. Anos depois foi construída na praça em frente à Santa Casa de Misericórdia um mercado justamente para relocar a local adequado essas atividades que não condiziam com o urbanismo central da cidade, mas muitas delas permaneceram e hoje estão se expandindo no centro da cidade. Nada contra esses ambulantes mas deveriam exercer suas atividades nos bairros onde vivem, ali terão condições melhores de sobreviver condignamente e deixarem liberadas as ruas e calçadas no centro da cidade para o que lhes é próprio. Mante-los ali, com permissão da municipalidade (se é que ela existe) além de desumano, é totalmente inadequado.

  2. Fabio Aguayo 6 de novembro de 2017 em 17:08 - Responder

    Falo isso faz tempo e dizem que sou exagerado o comércio clandestino, ambulantes tudo que nao gera nada pra sociedade vai avançando lentamente que esta enraizando aos olhos de todos e so preferem perseguir quem tem CNPJ e estabelecido.

    https://www.google.com.br/amp/www.bandab.com.br/economia/irados-com-concorrencia-desleal-donos-de-bares-pedem-acao-contra-vendedores-clandestinos/amp/

  3. maria do rocio cunha 7 de novembro de 2017 em 16:47 - Responder

    Cara jornalista, este casal trabalha faça chuva e faça sol. Está desde cedo e só vai embora quando o ultimo carro sai. É de confiança. O trecho que o casal cuida é um dos poucos no Centro Cívico que é possivel encontrar uma vaga para estacional. Por que, ao invés de expor o casal, não critica o fato de o Tribunal de Justiça se adonar da praça que fica atrás do Fórum, no Centro Cívico. Antigamente qualquer mortal podia estacionar ali, agora só o pessoal do TJ. Tem até segurança. E olha que há espaço de sobra no próprio TJ, mas na mão grande se adonou da praça que deixou de ser do povo!

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Contraponto. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Contraponto se reserva os direitos de não publicar e de eliminar comentários que não respeitem estes critérios.

Deixar Um Comentário

%d blogueiros gostam disto: